domingo, outubro 16, 2005

A floresta do fim de semana

cheirava bem, a terra molhada, trazendo-me à memória dias felizes de infâncias passadas. Enquanto caminhávamos encontrámos uma flor, roxa, nativa destas montanhas e juntos construímos uma arcaica cabana que servisse de proteção de pés humanos distraídos.

descobrimos um arbusto, verde lindo, que cresce sem autorização junto a umas silvas diabólicas que por mais que se matem não morrem. Irresistivelmente todos acariciámos aquele arbusto, pela novidade, pela beleza e a estranheza. todas as semanas algo de novo.

Hoje também um marmelo debaixo de um pinheiro. supomos que um corvo ou gaio, tão comuns naquelas paragens, o tenha trazido até ali, debicado levemente para o perder para a força da gravidade. O cidadão mais jovem, com o apoio dos mais velhos, enterrou virado para os marmeleiros mais próximos, com esperança que se sinta tentado a crescer e despertar para uma nova vida como árvore e não como fruto.
Passeámos de mãos dadas, os três... pela floresta... foi bom este fim de semana.
Nota de rodapé: poderia ter sido melhor com uma vitória do Sporting ou um 6 no totoloto, mas não se pode ter tudo na vida - amor e saúde é um excelente começo :).